sábado, 18 de agosto de 2012

Masturbação - Mitos e Benefícios

Masturbação é o ato de estimular a própria região genital de modo a obter prazer sexual. A masturbação é geralmente feita pela própria pessoa com as mãos, mas também pode ser feita com objetos ou com o auxilio de parceiros(as). Neste texto vamos abordar a masturbação masculina e a masturbação feminina do ponto de vista médico.

Para o que serve a masturbação e quem se masturba?
Basicamente todo mundo se masturba; estima-se que 95% dos homens e 90% das mulheres já se masturbaram alguma vez na vida. A masturbação é um meio de aliviar as tensões sexuais que todas as pessoas sentem; o desejo sexual é algo natural que ocorre com todas as pessoas, mesmo naquelas que negam. A masturbação é normalmente usada quando o individuo sente desejo de ter relações sexuais, mas não as pode ter no momento. Este desejo pode surgir de vários modos distintos, vendo imagens em vídeo ou revistas, ouvindo histórias, lembrando de relações anteriores, recebendo carícias, beijando alguém, etc.

Homens e mulheres sentem necessidade de se masturbar, porém, por vivermos em uma sociedade machista e conservadora, a masturbação feminina ainda é menos aceita que a masculina. É muito mais fácil, por exemplo, os pais aceitarem que seu filho adolescente se masturba com frequência do que sua filha. Enquanto os rapazes conversam abertamente sobre masturbação no inicio da adolescência, este tema não é tão natural entre as meninas. Conforme a maturidade vai chegando, as mulheres começam a ser tornar sexualmente mais seguras e a masturbação torna-se mais comum, apesar de muitas não terem coragem de admitir.
A masturbação pode iniciar-se ainda quando bebê, fazendo parte do processo de conhecimento do próprio corpo. Algumas crianças aprendem cedo que a estimulação dos órgãos genitais provoca prazer, e o fazem inocentemente, sem que haja fantasias sexuais por trás. O pais não devem ficar desesperados se seus filos pequenos se masturbarem. Raramente há intenção sexual por trás e uma reação violenta pode causar traumas. Crianças que se masturbam com frequência podem estar passando por períodos de estresse que os pais não têm conhecimento. A masturbação intencional para alívio das tensões sexuais começa entre os 10 e 14 anos de idade.

A masturbação, principalmente masculina, é mais comum na adolescência. Alguns jovens podem se masturbar diariamente, às vezes mais de uma vez por dia. A necessidade de se masturbar diminui com a idade, mas permanece por toda a vida, mesmo com pessoas casadas. O fato do parceiro(a) se masturbar não significa necessariamente que haja insatisfação na vida sexual do casal. A masturbação e o sexo com penetração são atos sexuais diferentes e complementares.

Como é feita a masturbação?

A masturbação é na maioria dos casos uma atividade individual onde o homem, ou a mulher, usam as mãos para obter estimulo sexual dos seus genitais. A masturbação também pode ser feita com o auxílio de um(a) parceiro(a). Muitas mulheres têm dificuldades em atingir o orgasmo apenas com a penetração, sendo a estimulação direta do clitóris uma opção para melhorar a qualidade da vida sexual do casal.

A maioria dos homens usa apenas as mãos para se masturbar, enquanto que nas mulheres é comum o uso de métodos como vibradores ou outros objetos. Um dos raros problemas de saúde da masturbação ocorre quando há penetração com objetos, seja na vagina ou ânus. Estes podem ferir e ficarem presos nas cavidades, causando dor e constrangimento. Deve-se evitar a masturbação com objetos que não feitos para tal propósito. Existem no mercado de produtos eróticos masturbadores masculinos e masturbadores femininos que auxiliam a masturbação sem causar riscos à saúde.

Mitos sobre masturbação

Há indícios que o homem e a mulher se masturbam desde o início dos tempos. Existem peças arqueológicas com mais de 6000 anos que apresentam claramente imagens de homens e mulheres se masturbando. Entretanto, ao longo dos tempos e das diferentes sociedades, o ato de se tocar ganhou interpretações diferentes. Desde o século 17, as sociedades mais religiosas e conservadoras têm sido cada vem mais intolerantes com a masturbação, classificando-a como algo pecaminoso e errado. É muito comum ver religiosos procurarem na bíblia passagens que possam ser interpretadas como prova de que o ato é errado. Junto com essa condenação começaram a surgir mitos sobre possíveis malefícios da masturbação para a saúde. Para se ter ideia de alguns absurdos, nos séculos 17 e 18 a igreja católica chegou a considerar a masturbação um pecado pior que o incesto, algumas sociedades consideravam o ato um crime com penas duríssimas e até médicos lançavam livros versando sobre supostas doenças causadas pelo ato de se masturbar.

Não vou entrar no mérito religioso da questão, discutindo se a masturbação é ou não pecado, até porque se tocar é visto com gravidades distintas entre as várias religiões e religiosos; em algumas religiões orientais o ato até é estimulado, enquanto que na cultura judaico-cristã a masturbação é firmemente condenada. Este texto é voltado para todas as pessoas, religiosas ou não, crentes em Deus ou não, portanto, vou me ater apenas às questões de cunho científico. Felizmente a medicina de hoje é baseada em fatos científicos e em nada se assemelha àquela praticada há alguns séculos que condenava a masturbação.

Vou listar alguns dos mitos mais comuns. Não é verdade que:


  • Masturbação causa acne 
  • Masturbação faz crescer pelos nas mãos.
  • Masturbação causa cegueira ou qualquer outro problema visual.
  • Masturbação causa impotência 
  • Masturbação causa perda de memória ou qualquer outro problema cerebral.
  • Masturbação provoca insanidade.
  • Masturbação causa gota 
  • Masturbação deixa um braço maior que o outro.
  • Masturbação faz crescer o peito em homens 
  • Masturbação causa infertilidade.
  • Masturbação causa artrose 
  • Masturbação provoca sangramentos na urina
  • Masturbação aumenta o tamanho o pênis.
  • Masturbação afina o pênis.
  • Masturbação causa infecção urinária
  • Masturbação faz mal à saúde.
  • Masturbação vicia.
  • Masturbação causa calvície


Muitos desses mitos, criados com intuito de demonizar a masturbação, surgem através de distorções e manipulações de alguns fatos. Por exemplo, a relação com a acne é facilmente difundida por ser a adolescência a época em que a explosão hormonal tanto provoca o aparecimento das espinhas, quanto um maior desejo de se masturbar. O mesmo vale para a ginecomastia, que é mais comum em adolescentes. A relação com a loucura provavelmente surgiu pelo fato de pacientes com demência ou doença psiquiátrica grave perderem a inibição e se masturbarem em público. O mito do vício é outra interpretação equivocada dos fatos. Realmente algumas pessoas criam compulsão pelo ato, masturbando-se mais de 10x por dia. O comportamento compulsivo, porém, é comum no ser humano e não é desencadeado pela masturbação. Existem pessoas que são compulsivas em lavar as mãos, e não é por isso que vamos considerar o ato de lavar as mãos viciante.

Estes são apenas alguns mitos, existem muitos outros. A masturbação não causa nenhum problema à saúde, seja física ou mental; ela, na verdade, pode até trazer benefícios como veremos mais à frente. A opinião atual da comunidade médica é de que se masturbar é natural e saudável em todas as idades e sexos, contanto que não seja compulsivamente ou em público. Se a masturbação não interfere no seu dia a dia e não atrapalha sua vida sexual e profissional, ela é um ato inocente e seguro de se obter prazer.

Benefícios da masturbação

Além de não fazer mal, a masturbação é benéfica em vários casos. Pessoas que se masturbam tem um maior conhecimento do próprio corpo e costumam ter vida sexual mais saudável e satisfatória. Pessoas sexualmente reprimidas podem apresentar melhora da qualidade da vida sexual se começarem a se masturbar.

A masturbação ainda apresenta os seguintes benefícios:


  • Ajuda mulheres que têm dificuldades em ter orgasmo
  • Ajuda homens que apresentam ejaculação precoce 
  • Melhora os sintomas da TPM
  • Reduz o estresse
  • Melhora a qualidade do sono
  • Alivia cólicas menstruais


Apesar de ainda não ser plenamente comprovado, estudos mais recentes mostram uma relação entre a frequência de ejaculações e a redução da incidência do câncer de próstata. Homens que apresentam mais de 20 ejaculações por mês, seja em atos sexuais ou por masturbação, parecem apresentar menor risco. Alguns trabalhos mostram que a "proteção" contra o câncer é mais forte quando esta frequência de ejaculação inicia-se antes dos 20 anos.

Fonte: MD.Saúde 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...